segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Me belisca, eu vi um Beatle!




Siiiiiiim, voltei pra contar do show, mas se antes já estava sem palavras, agora então ficou pior! Como explicar o inexplicável??? Simplesmente EMOCIONANTE!!! Acho que só quem é fã pode entender o que sentimos quando ele entrou no palco... mas vamos do princípio!

A emoção começou já na fila! Estávamos a uns 10 metros do portão quando fizeram um cerco de policiais e seguranças: o Paul estava chegando! Tentei pegar a câmera na mochila, mas fiquei tão nervosa, que não conseguia encontrar! Ficamos lá, parados, de boca aberta quando o Paul colocou metade do corpo pra fora do carro e acenou pra galera! Fiquei com a câmera na mão, sem reação! Olhava pro Josi e só falávamos "O cara é louco!" e ríamos muito!

Depois de mais de 3 horas na fila, conseguimos entrar! Nossa, olhava pra aquele estádio gigante, aquele palco gigante e não acreditava que estávamos ali! Olhava pro Josi, ele olhava pra mim, e ríamos. Mentalmente eu ficava "Valeu aí, Deus, por essa oportunidade!"
A energia no estádio estava muuuuito boa! Nossa, muitas pessoas de 3.ª idade, muitas crianças, famílias inteiras, avós, mães, pais, filhos, netos, casais de namorados... muita gente boa, muita gente feliz, muita gente emocionada!
Mais 3 horas esperando dentro do estádio, e o frio na barriga aumentando!
Poucos minutos depois de 21:30 o Paul entrou no palco!! Eu olhava e pensava "Meu Deus, é ele mesmo, é um Beatle!"

Venus and Mars, Jet, muito boas, mas quando começou All My Loving aquilo virou festa! Pulávamos muito! Era como se voltássemos pra década de 60!

Drive my car é a primeira faixa do Rubber Soul, e só lembrava do Giuseppinho, porque desde os primeiros dias dele em casa, quando ele começava a chorar eu o levava pra sala, colocava esse disco e ficava dançando com ele! Antes de terminar a primeira faixa ele já estava dormindo!

Mas a ficha foi caindo mesmo quando ele sentou no piano e começou a tocar The long and winding road... aí não deu mais pra segurar... choramos que nem criança...
Olhava pro palco e era o mesmo Paul de 40 anos atrás, tocando nos estúdios da Apple.

Depois disso, acho que chorei até o final hahahahaha... Let'Em in, perfeita, e me lembrava das quinhentas mil vezes que assisti o DVD do show do Paul na Red Square, na Rússia...

My Love, com o Paul falando em português "Essa música eu escrevei para a minha gatinha Linda, mas agora ela é para todos os namorados!", foi demais também!

Blackbird, no violão também muuuito emocionante!

Dance tonight teve show de dança do baterista Abe Laboriel, suuuper simpático, além de ótimo baterista! Rimos muito!

Eleanor Rigby foi outra pra chorar... mas, o pior ainda estava por vir hahahahaha, chorar mesmo, de soluçar, foi em Something... homenagem ao George... Paul começa tocando no ukulelê, simples e lindo, e aí a música explode, com a banda inteira e aquele solo de guitarra magnífico que George compôs num dia de muita inspiração... com imagens do George no telão no fundo do palco... MEU DEUS!!! Só de lembrar me arrepia!

Live and let die teve explosões no palco, fogos de artifício.... MARAVILHOSO!!! E teve também o guitarrista Rusty Anderson caindo no chão depois de um solo! Super simpático ele também!

Aí, na homenagem pro John, quando ele começa a tocar A Day in the Life, conforme planejado na comunidade do Paul no orkut (sim, comunidades do orkut são úteis, às vezes) começou a se distribuir balões brancos... os balões foram aparecendo timidamente, até que em Give Peace a Chance, as arquibancadas e a pista estavam cobertas de balões brancos... uma coisa muito linda de se ver... nessa, até o Paul se emocionou... "Beautiful, very Beautiful, thank you!" ele repetia com a voz meio embargada...

Ainda teve Let it Be, Hey Jude, Yesterday, maravilhosas, as mais agitadas Paaperback Writer, Get Back, Lady Madonna, a super rock'n Roll, Helter Skelter, distribuídas em 2 Bis!

E o final, liiiiindo, perfeito, pra guardar pra sempre na memória e no coração, Sgt Peppers junto com The End... "And in the end, the love you take is equal to the love you make"

Ainda choro vendo os vídeos, as fotos... foi demais, demais, demais!!!
Pra dizer, em voz alta, Paul no Brasil 2010, EU FUUUUUUUUUIIIII!!!!!

Valeu Sir Paul McCartney, por compartilhar conosco suas músicas maravilhosas, sua alegria, simpatia e sua energia (sim, o cara em seus 68 anos, faz um show de 3 horas, sem pausas, sem parar nem pra tomar água, dança, corre o palco todo, e canta e toca divinamente!).

Valeu aí Deus, porque eu estava lá, com meu marido lindo, e pudemos participar desse momento maravilhoso, juntos! Pra lembrar todos os dias de nossas vidas!

3 comentários:

Viciados em Cinema disse...

Eu vi em 98 aqui na Pedreira em Ctba, foi mágico mesmo. Ele é ótimo, muito simpático, nada estrelinha e é O CARA né...rs

Maristela... disse...

Amiga! Vc sabe que num posso dizer "nossa, que máximo, queria ter ido", ou "realmente, é O CARA"... Pq vc sabe que pra mim o Paul e nada é a mesma coisa!!! Mas sei q pra vc muda radicalmente! E apesar de ter fica do meio espantada de vc deixar Giuseppe pra ver o Paul, eu entendo e sei q Giuseppe te mataria se vc num tivess ido!!! Ele vai poder falar pros amiguinhos: "minha mãe viu o Paul, viu, seus manés!".
Fico feliz que tenha tido essa oportunidade, embora não consiga partilhar da sua euforia!

Se ainda fosse o Tião Carreiro...
kkkkkk

Vivi disse...

Nossa Tha... Arrepiei inteira ao ler sua postagem descrevendo o show do Paul.
Incrível, realmente me deixou sem palavras. Momento único e vocês fizeram muito bem em ter ido, um dia Giuseppe vai se orgulhar disso.

Tô aqui ainda arrepiada e boquiaberta!

Beijos